Quem procura autopeças encontra o que precisa na DISPEMEC

Há mais de 29 anos a DISPEMEC atende às necessidades de clientes que não abrem mão de qualidade, praticidade e segurança na hora de comprar autopeças.

Acesse agora

Posts para » mecânica

Como modificar o carro sem infringir as leis

TUNING

A modificação de carros, conhecida como tuning, é uma ótima alternativa para quem quer um carro com estilo único e personalizado.

Mas, para fazer qualquer alteração em um veículo, é preciso seguir a lei, para garantir a segurança do motorista e dos passageiros. Confira os passos para modificar seu carro dentro da lei:

1 – Autorização prévia

Depois de decidir quais as modificações serão feitas, é preciso pedir uma autorização para o Detran. Isso mesmo, diferente do que muitas pessoas fazem, o pedido precisa ser solicitado antes de mexer no carro e não depois.

O Detran analisa o pedido para ter certeza que está tudo dentro das normas do Código de Trânsito Brasileiro. Se for autorizado, será emitido um documento que prova a permissão para o motorista andar com o carro, até ser aprovado pela vistoria. Mas se não for, as alterações no veículo precisarão ser adequadas as leis e um novo pedido deverá ser feito.

2- Selo Inmetro

Após conseguir a autorização do Detran, o segundo passo é fazer a inspeção do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia), que é o órgão responsável por analisar e garantir a qualidade e segurança de produtos de diversos segmentos. São inspecionados pneus, estepes, chaves de rodas e até a potência do motor.

Caso o veículo seja reprovado, o motorista recebe um relatório com tudo o que deve ser arrumado e tem até 30 dias para realizar as correções e refazer a inspeção, sem que nenhuma taxa seja cobrada.

3- Vistoria de identificação

O último passo é fazer uma vistoria de identificação veicular, para identificar a regularidade de todos os itens alterados. O laudo da vistoria precisa ser levado ao Detran para que o documento de autorização final  seja emitido.

As únicas modificações que não precisam de autorização legal são as de roda e pneu. Fazer alterações no carro sem ter autorização prévia pode gerar multas (que variam de acordo com cada alteração) e na apreensão do veículo.

Até a próxima,

Equipe Dispemec.com


Novo aplicativo promete avaliar problemas mecânicos do carro

blog dispemec

A tecnologia está dominando diversos setores e com o universo automotivo não seria diferente. O aplicativo Engie chegou ao Brasil, no fim de 2017, e promete ser um “mecânico virtual”.

A empresa desenvolvedora do app, a mesma que criadora do Waze, conta que o objetivo é identificar o problema mecânico, antes do veículo ser levado para uma avaliação real.

Mas, apesar das facilidades que o aplicativo oferece, serviços digitais de mecânica automotiva ainda geram muita discussão, por não realizarem uma revisão tão completa e segura quando das oficinas mecânicas.

Segundo Helinho, apresentador do canal Mecânica Fácil e dono da oficina HelioCar, o surgimento de aplicativos podem trazer resultados positivo, se forem usados com cautela, já que, em muitos casos, o escaneamento não é suficiente para detectar todo o problema.

“Ao achar que identificou o problema com o aplicativo, o cliente chega na oficina mecânica pedindo para trocar determinada peça, que pode não ser a causa real desse defeito, mas apenas um componente afetado por ele. Isso faz com que o motorista perca dinheiro e o trabalho tenha que ser refeito. Então, todo cuidado é pouco e o auxílio de um mecânico automotivo é indispensável” explica o profissional.

O aplicativo já está sendo usado por mais de 200 mil pessoas nos Estados Unidos, Reino Unido, Espanha, México e Israel. No Brasil, o Engie já está disponível nas lojas virtuais gratuitamente.

Para ter o funcionamento completo do aplicativo, é preciso comprar o dispositivo de escaneamento, que fica disponível dentro do próprio app e sai por R$59 para os celulares Android e R$79 para IOS – sem incluir o frete.

Como funciona?

O Engie é conectado ao aparelho de escaneamento, que é ligado à porta OBDII do veículo, a mesma entrada onde é ligado o scanner dos mecânicos. Ele se conecta a central de gerenciamento eletrônico do carro e tem acesso ao diagnóstico de diversos componentes, depois transmite as informações captadas para o aplicativo, via Bluetooth.

Depois de constatar o problema, ele ainda permite que o usuário localize as oficinas mecânicas mais próximas, além de cotar preços dos serviços necessários para seu veículo e permitir ver e fazer avaliações das oficinas.

Mas não esqueça que até para conectar o aparelho scanner na entrada OBDII do seu carro, é preciso ter noções de mecânica para não danificar nenhum componente ou fazer uma avaliação errada.

Até a próxima,

Equipe Dispemec.com


Dicas básicas para motoristas iniciantes

blog dispemec

Durante o processo para tirar a CNH (Carteira Nacional de Habilitação), os futuros condutores aprendem sobre as normas de trânsito. Mas não pense que é só isso que você precisa saber para dirigir!

É essencial que você saiba como cuidar do seu veículo, para ter mais segurança durante seus trajetos e para prolongar a vida útil dos sistemas do carro. Veja nossas dicas e fique atento a esses itens:

Óleo do motor

Não é apenas de combustível que um veículo sobrevive! O óleo é responsável por manter os movimentos corretos e a temperatura do motor, por isso deve ser verificado com frequência. Nos modelos mais novos, é indicado que o óleo seja trocado a cada 10 mil quilômetros rodados, mas isso depende do modelo, ano e uso de cada veículo.

Também é muito importante usar o óleo certo para o seu carro, cada tipo possui diferentes propriedades e nível de viscosidade – essa informação pode ser encontrada no manual do motorista, que vem junto com o carro.

Aditivo do radiador

Os carros funcionam com a queima do combustível e isso faz com que o motor atinja temperaturas altas. Para ajudar a controlar essas temperaturas e não deixar com que o motor fique superaquecido, mantenha os aditivos do radiador em dia.

Além do aditivo recomendado pela montadora (também disponível no manual do motorista), o sistema de arrefecimento necessita de água. Um erro muito comum é colocar apenas água no radiador, o que pode prejudicar muito o motor. O certo é usar 50% de água e 50% de aditivo, não se esqueça!

Modificações

A maioria dos motoristas quer ter um carro bonito e para atingir esse objetivo as modificações são procuradas. Preste muita atenção em cada detalhe antes de realizar qualquer mudança interna ou externa, pois não basta ser  “bonito”, cada peça deve ter as especificações corretas para o seu carro.

Por exemplo, se for trocar as rodas, use o tamanho certo, rodas menores ou maiores podem ocasionar acidentes graves por não encaixarem direito. Para o sistema de som essa regra também vale, não compre um sistema que precisa de mais energia do que o seu carro pode oferecer.

Revisão

Outro item que precisa ser lembrado pelos novos motoristas são as revisões. Assim como você vai no médico para fazer um “check up” e garantir sua saúde, o carro também precisa de atenção para evitar possíveis danos e não só quando aparece algum problema.

Pronto, agora você já sabe para quais itens dar atenção e manter a mecânica do seu veículo!

Até a próxima,

Equipe Dispemec.com


Top 10: conheça os carros mais vendidos de 2017

blog dispemec

O mercado automotivo nunca para, ainda mais com a volta da estabilidade financeira do país e, consequentemente, da população.

De acordo com a Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores), o total de vendas de 0km durante o ano de 2017, foi 9,94% maior do que em 2016.

Confira quais carros foram os mais vendidos durante esse ano tão significativo para o setor:

tabela blog mais vendidos

  1. Chevrolet Onix – 188.654 unidades
  2. Hyundai HB20 – 105.539 unidades
  3. Ford Ka (hatch) – 94.893 unidades
  4. Volkswagen Gol – 73.919 unidades
  5. Renault Sandero – 68.988 unidades
  6. Chevrolet Prisma – 67.344 unidades
  7. Toyota Corolla – 66.188 unidades
  8. Fiat Strada – 54.870 unidades
  9. Fiat Mobi – 54.270 unidades
  10. Fiat Toro – 50.723 unidades

 

Até a próxima,

 

Equipe Dispemec.com


Carro 0km: financiar ou comprar à vista?

blog dispemec

Comprar um carro 0km é um grande investimento, que exige cuidado, planejamento e muita atenção.

Na hora de pesquisar os modos de pagamento, o financiamento pode até parecer mais leve para o seu bolso, mas essa opção é capaz de tornar seu sonho ainda mais caro.

Por isso, comprar seu carro à vista pode ter muitas vantagens, como a diminuição das taxas de juros. Mas atenção: em qualquer forma de pagamento, é necessário ficar atendo a alguns detalhes que, geralmente, passam despercebidos. Confira algumas dicas!

Custo Efetivo Total

Na hora da pesquisa de valores, não são só os juros do banco que devem ser levados em conta. É preciso observar o CET (Custo Efetivo Total), o valor total final do carro, que inclui também as taxas das montadora e de todas as despesas e encargos necessários para a compra.

Essas taxas dos bancos, das montadoras e de todos os encargos, quando financiadas, podem chegar a 4%, tornado o CET maior do que se o veículo fosse comprado à vista. Também é importante lembrar que, à vista, o CET pode ainda ter uma redução de 3% a 10%, o que diminui muito o valor total do carro.

Taxa de rentabilidade

Muitas pessoas acham que não vale a pena deixar dinheiro rendendo no banco e preferem financiar seu veículo. A verdade é que a taxa de rentabilidade de um investimento bancário, quando bem aplicado, pode chegar até 0,8% – já descontando os impostos.

Isso significa que financiar o carro só seria mais vantajoso, se  os juros das parcelas fossem menor do que o valor da rentabilidade. Então, se você está pensando em fazer um financiamento, procure saber antes quais as taxas e resultados de uma aplicação no banco e compare os valores.

Não consigo poupar, o que fazer?

Guardar dinheiro ou deixar render para comprar o carro à vista, apesar de ser a melhor opção, não é uma tarefa muito fácil. Então, se você realmente preferir financiar o seu veículo, dê a maior entrada que conseguir, isso irá diminuir o valor das taxas, dos impostos e, é claro, das parcelas.

Agora que você sabe qual a melhor forma de pagamento, já pode se planejar para realizar seu sonho de ter um 0km.

Até a próxima,

 

Equipe Dispmec.com

 


Dash Cam: conheça as câmeras de segurança e lazer para o seu carro

dash cams

As Dashboard Camera, mais conhecidas como Dash Cam, são câmeras automotivas que ficam  presas ao painel do veículo.

Esse item está se tornando cada vez mais popular, em diversos países, pois além de acompanhar o motorista e filmar suas viagens, é uma ótima opção de sistema de segurança.

As imagens captadas pelas dash cams podem ser usadas como uma maneira de prevenir ou descobrir danos no veículo, prova de furtos e batidas e até mesmo para justificar aplicações incorretas de multas.

É um ótima opção também para quem trabalha com serviços de transportes empresariais ou pessoais, já que ajuda a manter a segurança  do motorista, do passageiro ou da carga que será transportada.

Qual a diferença entre uma dash cam e uma action cam?

As dash cams foram feitas para ficar dentro dos automóveis, isso porque elas não possuem proteção contra quedas, água, poeira, entre outros. Já as action cams, conhecidas mundialmente por meio da marca GoPro, são projetadas para atividades radicais, então possuem uma resistência maior.

Muitas pessoas acreditam que as funcionalidades são parecidas e acabam usando as action cam como câmeras automotivas. É claro que, dependo da funcionalidade que você quer usar, compensa, mas se você irá deixar a câmera apenas no carro, é preciso levar em consideração os preços, já que uma action cam pode custar entre R$800 e R$2.500,00, já a dash cam pode ser encontrada por menos de R$200,00.

Até a próxima,

Equipe Dispemec.com


Como preparar o ar-condicionado para as estações quentes

blog dispemec

O calor está chegando e, durante as estações mais quentes, o ar-condicionado do carro volta a ser muito usado.

O problema é que nos meses mais frios, o ar ficou parado e pode ter acumulado poeira, bactérias e outras impurezas, que são prejudiciais para a saúde.

Por isso, os cuidados com esse item devem ser redobrados e além da higienização completa, feita por um profissional, algumas ações de manutenção também ajuda a manter o ar-condicionado limpo. Confira as nossas dicas!

Troca do  filtro de ar

Como o nome já diz, essa peça é responsável por filtrar as impurezas do ar, então é fundamental que o filtro esteja limpo. Antes de fazer a troca, observe a cor que ele está: se estiver branco, significa que ainda está limpo, mas se apresentar manchas escuras ou estiver completamente marrom, quer dizer que ser trocado. (Vai trocar o filtro? Entre aqui e compre o seu!)

Spray de higienização

Os sprays de higienização são ótimas soluções de limpeza, que podem ser aplicados rapidamente no ar-condicionado.  Eles eliminam colônias de bactérias, fungos e o mau cheiro deixado por eles.

Para aplicar, basta ligar o ar condicionado  na velocidade máxima e no modo recircular, posicionar o spray e aplicar. Depois, deixe o ar ligado por 5 minutos e pronto.

Aspirador de pó

Isso mesmo, esse é um meio simples de ajudar  na higienização do ar do seu veículo. Passe o aspirador de pó em todo o veículo, inclusive embaixo dos bancos, onde o acúmulo de sujeira é sempre maior. Isso irá ajudar o ar condicionado a funcionar melhor, já que o ar que estará entrando terá menos sujeira para filtrar.

Gostou das dicas? Então aproveite e já coloque em prática, para aproveitar a primavera e o verão, sem passar muito calor!

Até a próxima,

Equipe Dispemec.com


Câmera de ré: praticidade e segurança na hora de estacionar

imagem blog dispemec

A tecnologia virou uma aliada no universo automotivo e vem ajudando muito os motoristas. Um ótimo exemplo disso são as câmeras de ré, que estão sendo cada vez mais usadas.

O item deixou de ser um artigo para carros de luxos e está se tornando muito comum em carros populares. Saiba mais sobre esse item e suas funcionalidades:

Quais as vantagens de usar uma câmera de ré?

Entre as principais vantagens desse acessório, estão a praticidade e a segurança na hora de estacionar o carro. A câmera permite que você veja a distância e o que está atrás do veículo, isso facilita as manobras e ajuda a não ocorrer batidas e atropelamentos, principalmente de crianças e pequenos animais.

Existe mais de um modelo?

Sim! É possível encontrar no mercado três tipos de câmeras: a embutida no para-choque, a que é parafusada dentro do vidro traseiro e a que é colocada em cima da placa do carro. Todas funcionam da mesma maneira e podem ser instaladas em qualquer modelo de carro.

É preciso apenas verificar onde ela irá ficar menos visível e esteticamente mais harmoniosa em seu veículo.

Como é feita a instalação deste acessório?

Diferente do que muita gente pensa, a instalação é muito simples, pois exige a ligação de apenas dois fios: um ligado a entrada auxiliar do DVD e outra ao sistema que transmite a imagem da câmera para a tela.

Mas mesmo não sendo algo complicado, o mais indicado é que a instalação seja feita por um profissional, para evitar possíveis erros ou danos no sistema. O DVD é obrigatório para que a câmera funcione. Se o seu carro não possuir um, é possível instalar de maneira rápida e fácil em lojas especializadas.

Até a próxima,

 

Equipe Dispemec.com


Aditivo do radiador: para que serve e quais os prazos de troca

blog dispemec

Você sabe para que serve o radiador? Esse sistema é responsável por controlar e manter a temperatura ideal do motor do seu veículo.

Mas, para funcionar da maneira correta, o radiador precisa de alguns cuidados e entre eles – talvez o mais importante – é a manutenção e troca dos fluídos, entre eles a água e o aditivo.

Os aditivos servem para evitar que o fluido de arrefecimento congele ou ferva, para que o radiador cumpra o seu dever com perfeição. Mesmo sendo tão importante, algumas pessoas tentam substituir o seu uso, alimentando o radiador apenas com água, o que pode prejudicar o funcionamento geral do veículo. Quer saber mais? Leia nossas dicas abaixo.

Existe mais de um tipo de aditivo para radiador?

Sim, o mercado automotivo oferece três tipos de aditivos para radiador: aditivos compostos por etilenoducol, aditivos orgânicos e aditivos sintéticos.

Os compostos por etilenoducol são os mais tóxicos para os seres humanos e para a natureza, os orgânicos são biodegradáveis (a melhor opção para o nosso planeta) e os sintéticos são produzidos em laboratórios e possuem uma duração maior do que os outros.

Qual o tempo de troca dos fluídos?

O tempo médio de troca é a cada 30 mil quilômetros rodados ou a cada um ano. Mas se você tiver dúvidas sobre a troca de fluídos do seu carro, o ideal é procurar um mecânico para fazer a avaliação do radiador.

Qual a quantidade ideal de aditivo?

Não existe uma quantidade exata, pois cada modelo de carro necessita de uma quantidade diferente. O ideal é que você consulte o manual do fabricante para não colocar uma quantidade menor ou maior do que o seu veículo precisa.

É permitido usar apenas a água no lugar do aditivo?

Apesar de ser misturado com a água do radiador, não é indicado usar apenas a água, já que ela não possui todas as propriedades do aditivo. Em caso de emergência, é claro que é melhor colocar a água do que deixar o radiador seco, mas pare no primeiro posto que você encontrar para acrescentar o aditivo e não deixar o seu carro ser prejudicado.

Agora que você sabe mais sobre a importância dos aditivos, preste atenção no seu radiador e mantenha seu veículo sempre em ordem.

 

Até a próxima,

 

Equipe Dispemec.com


Freios a disco: saiba a diferença entre cada tipo

blog dispemec

Todo mundo sabe para que funciona o freio, mas e o disco do freio, você conhece as funcionalidades?

Essa peça, que fica presa ao cubo da roda, é comprimida pelas pastilhas, para gerar o atrito necessário para fazer todo o sistema funcionar e frear o veículo.

Os discos também são responsáveis por distribuir o calor que vem das frenagens, para que as pastilhas e o próprio disco não sejam superaquecidos e tenham dificuldades para funcionar. É aí que surge as diferenças entre cada tipo de disco, confira:

Discos Sólidos

Como o nome já diz, esse modelo de disco é sólido, composto por uma única peça, feita de ferro maciço. Apesar de ser mais barato do que os outros, o disco sólido não suporta muito bem situações extremas, de altas temperaturas. Por isso, são usados em aplicações mais leves, como sedãs e SUVs de médio porte.

Discos Ventilados

Diferente do sólido, o modelo ventilado possui dois disco finos, que são unidos por uma câmara interna, que permite a passagem do ar. Essa câmara faz com que a peça seja resfriada com mais rapidez e corra menos riscos de superaquecimento. Os discos ventilados são usados em carro compactos mais potentes e em modelos esportivos.

Discos Perfurados

Os discos perfurados são os mais indicados para os modelos de alto desempenho. Isso porque esse modelo, além de também ser ventilado, possui pequenos furos em todo o disco, o que ajuda a manter a temperatura ideal em todo o sistema de freio.

Esse modelo também é muito mais leve do que os outros, mas todas essas vantagens são descontadas no valor, que pode passar dos R$ 40 mil, o que faz com que, até nos carros de luxo, o disco perfurado seja oferecido como um opcional.

 

Até a próxima,

 

Equipe Dispemec.com