Quem procura autopeças encontra o que precisa na DISPEMEC

Há mais de 30 anos a DISPEMEC atende às necessidades de clientes que não abrem mão de qualidade, praticidade e segurança na hora de comprar autopeças.

Acesse agora

Posts para » farol de milha

Farol de neblina, milha e auxiliares: qual a diferença e quando usar

blog_dispemec_farolauxiliar

Dirigir com segurança inclui saber quando e qual tipo de farol usar em determinadas situações: chuva, neblina, noite, com ou sem carro na frente. Mas para isso é preciso antes saber a diferença entre os tipos de faróis, principalmente o de milha e o de neblina. No nosso canal do Mecânica Fácil mostramos qual a diferença:

Ou seja, funciona assim:

Farol de neblina
Usar em trechos de neblina e sem o farol alto, para ampliar a visibilidade do motorista e conseguir enxergar o que está bem à frente, mas encoberto pelo nevoeiro. Assim, o condutor se localiza na estrada e as chances de acidentes diminuem. Importante: o farol de neblina não substitui o farol tradicional e jamais deve ser usado sem necessidade ou como farol baixo. O uso indevido pode prejudicar a sua visibilidade e a de outros motoristas.

Farol de milha
O de milha tem a função de projetar a luz a longa distância e proporcionar conforto visual e também deve ser usado com cautela, jamais taque o farol de neblina na “cara” do carro que vier no sentido contrário.

Faróis Auxiliares
E tem os faróis auxiliares que funcionam como um segundo par de faróis de longo alcance. Alguns modelos de carro já saem de fábrica com esse tipo de farol.  É comum o uso nas estradas mais isoladas, sem iluminação e em situações em que os faróis alto e de milha não dão conta.
E já que o assunto é farol, confira aqui neste outro post como regular os faróis do seu carro. Caso precise trocar as lâmpadas de algum farol, antes, veja nesse post quais tipos de lâmpadas são mais usadas.

Por hoje é isso pessoal! Até semana que vem!

Equipe Dispemec.com


O que você pode fazer para regular os faróis

faróis

Já aconteceu de você estar na estrada à noite e começar a receber piscadas de faróis dos carros que vêm na direção contrária? Pode não ser só alguém avisando de um perigo na via, mas sim uma reclamação por causa do seu farol desregulado.

Situações assim atrapalham a visão tanto do motorista do carro oposto quanto a do próprio veículo. Por isso, é bom manter os faróis regulados e todas as outras lâmpadas em bom funcionamento.

As normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) e as do CONTRAN (Conselho Nacional de Trânsito) alertam que, antes de realizar a regulagem dos faróis, você deve verificar se:

– Os pneus estão calibrados

– A bateria está carregada

– O conjunto óptico está em ordem – espelho, lente e lâmpada sem defeitos

Feito isso, você mesmo pode fazer uma regulagem básica seguindo estas dicas:

– Estacione o carro em um terreno plano e de frente para uma parede

– Deixe o carro alinhado e com pelo menos 3 metros de distância da parede

– Faça uma marca na parede, seguindo a reta da altura do farol

– Use uma chave de fenda para regular os dois parafusos próximos ao farol

– Para facilitar, regule o alcance vertical e depois o horizontal

Vale lembrar que um parafuso regula verticalmente e o outro, horizontalmente. E para não ficar com nenhuma dúvida, confira mais detalhes no vídeoRegulagem dos faróis

 

O indicado é que a cada 6 meses seja feita uma nova regulagem, pois os faróis dianteiros ficam desregulados com o simples uso diário do veículo passando em trepidações e ruas irregulares.

Ah, e os faróis auxiliares – de neblina e de longo alcance – também devem estar regulados.

 

Além dessas dicas, também vale a pena pedir ajuda a um profissional, que tem os aparelhos próprios para regular de forma precisa. E sempre que o carro passar por uma revisão, lembre-se de solicitar a checagem dos faróis.

Por hoje é isso, pessoal!

Equipe Dispemec.com