Quem procura autopeças encontra o que precisa na DISPEMEC

Há mais de 29 anos a DISPEMEC atende às necessidades de clientes que não abrem mão de qualidade, praticidade e segurança na hora de comprar autopeças.

Acesse agora

Posts para » correia

Faça um check up no seu carro antes de descer a Serra

mecanica fácil - revisão antes das ferias

Todo bom motorista sabe da importância de fazer uma revisão no seu carro, principalmente antes de pegar estrada. O sol e o calor do verão, combinado com o tempo livre das férias, acabam sendo um convite para que muitas pessoas peguem a estrada rumo ao litoral. Para que você e sua família viajem em segurança, é fundamental cuidar de alguns itens do veículo. Confira com a gente!

Estradas bem pavimentadas e com poucas curvas normalmente possuem limites de velocidade maiores. (Apesar de alguns motoristas ultrapassarem esse limite, essa não é a melhor atitude: respeite sempre as leis de trânsito e dirija sempre dentro da velocidade permitida!)

Com uma velocidade maior, o que mais incomoda os motoristas é a falta de alinhamento e balanceamento. Quando o problema é o alinhamento, o motorista precisa ficar corrigindo a trajetória, pois o carro fica “puxando” para um lado. Nesse caso, o volante começa também a tremer quando o carro atinge velocidades entre 100 e 120 Km/h.

Subir e descer a Serra para ir ou voltar da praia exige um esforço maior do sistema de arrefecimento, das embreagens e das correias. Responsável por manter a temperatura do motor por volta de 90 graus, o sistema de arrefecimento é um dos que mais quebram quando os motoristas estão em viagens prolongadas. Isso acontece porque em subidas maiores, o motorista normalmente reduz a marcha e aumenta a rotação do motor, para não diminuir a sua velocidade. Esse aumento da rotação pode aumentar a quantidade de calor e dar mais trabalho para o sistema de arrefecimento.

Outro que precisa estar 100% antes da viagem é a embreagem. Ela tem a função de transmitir o torque e a rotação do motor para o câmbio e para as rodas. Quanto mais pesado estiver o carro em uma subida, mais será exigido da embreagem.

Na hora da descida, muitos motoristas reduzem a marcha para não sobrecarregar o sistema de freios. O problema é que as reduções repentinas podem quebrar a correia dentada, principalmente se ela já tiver mais de três anos ou uma quilometragem maior que 50 mil km.


Descubra quais são e como evitar os defeitos na correia dentada

correia dentada

A correia dentada, responsável por manter a sincronia entre o comando de válvulas e o virabrequim, é uma peça simples, mas fundamental para o funcionamento do carro. O problema é que seus defeitos chegam de maneira silenciosa, comprometendo o motor e gerando um grande prejuízo.

Quando a correia dentada arrebenta, os pistões acabam entrando em atrito com as válvulas, prejudicando o cabeçote do motor. Mas se o problema ocorrer enquanto o carro está em alta velocidade, o impacto pode ser tão grande a ponto de quebrar os pistões. Isso obriga o motorista a trocar o motor inteiro, desembolsando, no mínimo, R$ 4 mil.

Assim como o rompimento, o desalinhamento dos dentes da correia, correais frouxas, muito tensionadas ou gastas podem gerar grandes danos, pois desestabilizam a sincronia entre a abertura e fechamento das válvulas de admissão e de escape.

A melhor maneira de prevenir defeitos é fazer a troca da peça na quilometragem indicada no manual do veículo. Também é importante trocar o tensor, responsável por manter a tensão certa na correia, além de evitar reduzir a marcha drasticamente ou dar tranco repetidamente no motor para fazer funcionar.

Quer saber mais sobre a correia dentada? Confira o vídeo do Mecânica Fácil!

Até o próximo post!

Equipe Dispemec.com


Tempo de injeção X Sinal de sonda lambda. Entenda melhor.

injeção

O sinal da sonda lambda (sensor que mede o nível de oxigênio nos gases do escapamento) é medida em milivolts (mV) e varia entre 50 a 900 mV de acordo com a concentração de oxigênio nos gases.

O tempo de injeção (TI), por sua vez, é medido em mili-segundos e corresponde ao tempo que a válvula injetora (bico injetor) fica aberta, ou seja, o tempo que a Central (U.C.E) permanece com o bico energizado para que o combustível seja pulverizado dentro da câmara de combustão.

Leia mais…